Nem Gorda Nem Magra | Marci Marciano | Consultora de Estilo

Nem gorda, nem magra

A verdade é que se você usa entre 40 e 46 você é meio termo, você não é nem gorda nem magra, você praticamente não existe para a indústria da moda.
Acho excepcional marcas que fazem roupas pra plus size, acho maravilhosa esta inclusão da moda, e este empoderamento das mulheres gordas. Confesso que através delas me sinto mais representada do que por mulheres de corpos magros, pernas finas e quadris estreitos.
Não sou plus size, não sou magra,  tenho a maior dificuldade em encontrar roupas que me sirvam, como já falei aqui, achar shorts é um parto, calças jeans então, só Jesus na causa! A que serve nos quadris ficam largas nas canelas e na cintura. Só me sinto bem de saias e vestidos, o que não impede que eu use outros tipos de peças.
Nesta busca por aceitação percebi que grande parte do sentimento de inadequação que sinto (e acho que vocês também) é porque as marcas não fazem roupas pra gente, que não é gorda nem magra. Olha só, estes dias uma cliente magra me contou que engordou 10 kgs, passou do 36 para o 40/42. Tenho muito mais quadril que ela e também uso 42, veja bem, não faz sentido!
Esta falta de padronização das marcas e fazer roupas pra gente magra e sem curvas gera um enorme desconforto em nós e acabamos fazendo de tudo para nos adaptarmos a um padrão criado por outras pessoas, tentando entrar em uma roupa que claramente não é feita pra nós. E realmente não entendo isso. A moda é para nos fazer sentirmos bem com a gente mesma.

Na adolescência

Quando era adolescente, sofri muito bullying por ser gordinha, ter cabelos enrolados e usar óculos, confesso que passei muito tempo me sentindo feia e inadequada, porque enquanto minhas amigas usavam 36, eu usava 44 (apertado), naquela época não tinha muita variedade de roupas e pessoas, não conseguia emagrecer e o que pude fazer pra me sentir melhor foi alisar os cabelos (na época era o único “tratamento” pra cabelos enrolados),  usar lentes de contato (até hoje odeio óculos) e me vestir com roupas legais. Por mais incomum que pareça, a moda me ajudou a melhorar minha auto estima, porque aprendi alguns truques de styling sozinha, testando o que achava interessante. Se a moda me ajudou, com certeza pode ajudar muitas pessoas.
Hoje quando vejo esta ditadura de ser magra, meninas que usam pp falando que tem pernas grossas, e uma mulher magra se sentindo gorda porque usa 40 fico chateada.  Infelizmente a moda representa opressão, quando na verdade deveria ser o contrário.
Como uma amiga fala, é a moda que precisa da gente e não a gente da moda, por isso convido a reflexão de pensar se as marcas que vocês vestem são amigáveis para todos os tipos de corpos, se é inclusiva de verdade, porque não faz sentido vestir só parte da população e fazer outra parte se sentir inadequada.

 

Beijos e boa semana!

1 comments
9 likes
« 3 looks, 1 peça: Vestido camisetaComo usar looks básicos »

Related posts

Comentários

  • Carolina

    7 de junho de 2018 em 13:29
    Responder

    Olá! Estou fazendo uma busca por mulheres inspiradoras que não sejam nem gordas, nem magras. O que é, na verdade, a realidade da maioria das […] Leia maisOlá! Estou fazendo uma busca por mulheres inspiradoras que não sejam nem gordas, nem magras. O que é, na verdade, a realidade da maioria das brasileiras. Acho o máximo o trabalho das influenciadoras digitais e acredito que sejam extremamente importantes hoje para grandes empresas de moda e beleza. E o mais curioso é que não haja, ainda, uma representante do padrão brasileiro. Eu infelizmente não me identifico com as blogueiras magras, que vestem de tudo que seja entre 36 e 38. Mas também não me reconheço nos corpos e estilo de roupas das lindas plus e curvy sizes que se encaixam perfeitamente em manequins acima do 48. Visto entre 42 e 44 porque tenho os quadris bem largos, mas blusas uso tamanho M, porque não tenho muita barriga e muito menos peitos. Por isso tenho enorme dificuldade em encontrar vestidos e saias que fiquem bem. Acabo me valendo de calças, principalmente as que tenham bastante elastano e alguns modelos de shorts para looks mais casuais. Nunca consigo encontrar peças de moda de balada, por exemplo, porque as peças são pensadas exclusivamente em manequins 38. Acho uma pena! Uma grande perda, inclusive de mercado pra moda brasileira, que deveria reconhecer a variedade do corpo feminino e tentar se adaptar melhor. Se alguém souber indicar influenciadoras digitais, blogueiras ou qualquer perfil interessante do Instagram que estejam dentro do nosso perfil, vou adorar conhecer! Beijos! Leia menos

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Marci Marciano

"Vejo a moda como a principal ferramenta para expressar aquilo que somos e elevar a auto estima."

Últimos Posts
Facebook
Mais Lidos
Arquivo